Estudos gerais para médiuns da corrente de trabalho Umbanda

Postado por Sacerdote de Umbanda Adriano D’Ogum

BATER CABEÇA

Antes de ser uma tradição, um rito (cerimônia) da Umbanda, é o primeiro e principal ato de humildade e resignação de um filho de fé.

Inicia-se o ritual batendo cabeça para o Peji/Conga, reverenciando aos Orixás e a Divina Trindade. Caso seja uma visita, o batimento de cabeça é opcional ou a convite do sacerdote da casa.

Durante o batimento de cabeça, pedimos a proteção aos nossos Orixás de cabeça (quando conhecidos), nosso Anjo da Guarda e Guias.

Em seguida, saúda-se o Atabaque, pedindo licença e proteção aos seus donos, saudamos o tambor, por este ser, um dos pontos da “firmeza” da Casa.

Saudamos a Tronqueira, sempre na direção da porta ou porteira, ou ao lado oposto do Peji/Conga.

Não batemos cabeça para Exu, mas, temos e devemos ter todo o respeito e carinho por nossos irmãos de sina e de destino, afinal eles são Orixás e Entidades igualmente aos “Santos”.

Para saudação a Exu, ajoelhamos com o joelho esquerdo e tocando com a mão esquerda o solo, reverenciamos aos Maiorais da Casa e Guardiões, pedindo licença e proteção para os trabalhos que irão se iniciar. Pedimos também, que essas Entidades possam nos resguardar de espíritos baixos (Quiumbas), afim de não atrapalharem o bom andamento da Gira.

Em algumas casas bate-se cabeça para a Chefe do Terreiro.  

 

SAUDAÇÃO (DAS ENTIDADES):

Quando incorporarmos, nossos Guias (entidades), eles devem proceder da mesma forma que os médiuns, obedecendo a hierarquia da Casa.

GUIAS (colares)  

Os colares usados na Umbanda são pólos de irradiação, pára-raios, defesa, patuás, bentinhos, terços ou qualquer nome que queira dar, conforme crença, região ou língua. Na Umbanda são usadas as guias (colares), as pulseiras, braçadeiras (contra-eguns), patuás e outros elementos que obedecem os seguintes preceitos.

Usa-se somente produtos naturais como : sementes, pedras, conchas, pedras preciosas e semi-preciosas (mesmo que lapidadas), cristais e outros. Jamais usa-se plástico ou outro produto artificial,usa-se metal apenas quando o Guia Espiritual ou Orixá pede. 

Podem ser usados peles, partes de animais (dentes, guizos, unhas, etc) sempre em harmonia com a Entidade a quem se oferta a guia.

As contas, sementes e outras peças devem formar múltiplos de 3, 7 ou 9.

Toda guia deve ser cruzada (benzida) pelo Sacerdote/Sacerdotiza e pelos Guias Espirituais Chefes de seu terreiro.

GUIA BRANCA : confeccionada de pequenas miçangas é usada pelo médium iniciante; é a chamada Guia de Anjo de Guarda.

GUIA BRANCA E OUTRA COLORIDA:  usada pelo médium, após seu Guia de frente ter mostrado a que Linha pertence.

GUIA DE CRISTAL COLORIDA: usada pelo médium após seu Guia de Frente ter riscado e cantado seu Ponto. ( a Entidade diz como e quais as cores que ele usa e o  Sacerdote/Sacerdotiza confecciona a Guia de acordo com as instruções da Entidade e das normas da Tenda).

GUIA DE CRISTAL TODA BRANCA: é a chamada Guia de Oxalá, usada por médiuns com Guia Identificado.

GUIA  ATRAVESSADA e/ou BRAJÁS:  é usada pelo médium que possui grau confirmado pelo Guia Chefe do terreiro, isso após ter passado pelos preceitos referentes ao cargo, no caso de Entidade de direita, atravessada  do pescoço ao lado direito da cintura, se de esquerda, do pescoço ao lado esquerdo da cintura.

GUIA e/ou BRAJÁS CONTENDO AS CORES DAS SETE LINHAS: são as chamadas guias de Sacerdote/Chefe de Terreiro, ela cruza do pescoço e peito do médium ao lado direto da cintura, somente sendo permitida aos médiuns iniciados e coroados como Sacerdotes.

OTÁ

Pedras recolhidas do ponto de força dos Orixás, que são consagradas aos mesmos, conforme a regência do terreiro. O Otá é utilizado como elemento de ligação entre o médium Sacerdote, o terreiro e as energias do respectivo Orixá. Após realizado o ritual pelo Caboclo Chefe do Terreiro, o médium Sacerdote seu Otá no Peji/Conga, conforme orientação do Guia Chefe, O Otá devem ser utilizados sempre que o médium sentir necessidade. Os médiuns da corrente também podem possuir seus Otás, conforme sua regência e devem ser consagrados e guardados conforme a orientação do Caboclo Chefe do terreiro.

 DEFUMAÇÃO  

O defumador é utilizado para a limpeza astral de ambientes e pessoas, devendo ser feito com carvão em brasas e ervas secas, sendo que estas de acordo com a intenção da defumação. A finalidade do carvão é atrair as vibrações negativas enquanto as ervas atrairão as vibrações positivas. O defumador também pode ser feito com incenso puro de boa qualidade.Usamos normalmente antes das giras ou sessões , para “literalmente” fazer uma limpeza na casa e na aura das pessoas, tornando assim o ambiente mais leve e harmonioso. A defumação, é o último dos rituais, para a higienização, tanto dos médiuns como da Casa.   

VELAS

Poderoso elemento mágico auxiliar nos trabalhos do Terreiro, a vela  representa o elemento fogo, e fortalece as vibrações coloridas das nossas Entidades.

Sempre que queremos entrar em contato com o mundo astral  (superior ou inferior), a vela é a principal chave de acesso  para isto.

Intimamente ligado a fé e a mentalização, o ato de acender uma vela ritualística ou religiosamente, deve ser feito com concentração e fé metalizando a finalidade que se quer. É o momento em que o médium faz uma “ponte mental”, entre o seu consciente e as forças Divinas,  pedindo ou agradecendo às Entidades, Seres ou Orixás, os quais  estiver afinizado.

Muitas pessoas acendem velas para os  Guias de forma automática e mecânica, sem nenhuma concentração. É preciso ter consciência do que se esta  fazendo, da grandeza e importância, pois a energia emitida pela mente, irá englobar a energia ígnea (do fogo) e, juntas viajarão no espaço para atender a razão da queima desta vela.

Sabemos que a vida gera calor e que a morte traz o frio. Sendo uma chama de vela cheia de calor, ela tem amplo sentido de vida, despertando nas pessoas a esperança a fé e o amor. Quem usar suas forças mentais com ajuda da “magia”das velas, no sentido de ajudar alguém, irá receber em troca uma energia positiva; mas, se inverter o fluxo de energia, ou seja, se o seu pensamento estiver negativado (pensamentos de ódio, vingança, etc…) e utilizá-la para prejudicar qualquer pessoa, o retorno será  infalível, alertando que as energias de retorno serão sempre maiores, pois voltarão com as energias de quem as recebeu.

A intenção de acendermos uma vela, gera uma energia mental no cérebro é esta energia que a entidade irá captar em seu campo vibratório. Assim, podemos dizer que: Nem sempre a quantidade está relacionada diretamente a qualidade, a diferença estará na fé e mentalização do médium. Desta forma, é inútil acreditar que podemos “comprar favores” de uma entidade, negociando com um valor maior de quantidade de velas….

É importante salientar, que sempre que acendermos uma vela em nossa casa devemos direcionar nosso pensamento à Entidade que irá  recebê-la, pois como elemento mágico, o fogo não direcionado, pode trazer prejuízos para o nosso lar. Devemos evitar acender velas em intenção de pessoas que não convivem em nosso ambiente doméstico, para esta finalidade, procure acender a vela no Peji/Congá.

ÁGUA

A água é com certeza um dos elementos mais poderosos e o mais utilizado nos diversos rituais, ela representa a fonte da vida e a purificação Utilizamos a água para todas as cerimônias de preparação de médiuns (amacis, banhos, quartinhas e etc), como também para a cerimônia anual de lavagem do Terreiro entre outras.

ATABAQUE NA UMBANDA

Os Atabaques são instrumentos de percussão, com aparência de um barril aberto nas duas extremidades com couro cobrindo uma delas, que na Umbanda são tocados com as mãos. São identificados como:

- RUM (grave);

- RUMPI (grave e agudo);

- LE (agudo).

Para perfeita harmonia e vibração dos pontos cantados, um único Ogã não consegue fazer os contra tempos, repiques, arrebates e outros, sozinho, são necessários no mínimo três ogãs para executarem com harmonia e vibração os Pontos do Terreiro.

Como elemento de firmeza e sustentação na Umbanda, os Atabaques também precisam ser devidamente preparados para a finalidade a que se destinam, devendo passar por procedimentos e preceitos próprios, como a deitada(recolhimento), consagrações e oferendas respectivas aos seus Orixás e Guias da apadrinhamento, conforme orientação do Guia Chefe do terreiro, sendo aconselhável não serem tocados por médiuns não iniciados.

Uma vez consagrados os Atabaque não podem ser retirados do terreiro sem a devida preparação e preceitos necessários, que devem ser feitos pelo Sacerdote/Sacerdotiza e Ogã Alabe, conforme orientação do Guia Chefe do terreiro.

OGÃ  NA UMBANDA

Aquele que fornece a devida sustentação aos trabalhos da Casa, juntamente com o Sacerdote/Sacerdotiza e demais Entidades, aquele que toca no couro com amor, respeito e responsabilidade.

O Ogã precisa ter uma preparação, pois ele também é um médium, além de ser uma  de suas obrigações saber todos os Pontos do terreiro, os Ogãs são observados e avaliados pelo Sacerdote que será orientado pelo Guia Chefe do terreiro, sobre qual deles deverá  passar por uma feitura específica, para sua consagração ao cargo de Ogã Alabe, aquele que será o responsável pela “curimba”. Na Umbanda, o Ogã Alabe pode ser um médium incorporante, desde que haja outro Ogã que possa manter o toque, também podendo auxiliar o Sacerdote/Sacerdotiza na condução da Gira se for necessário. Vale esclarecer que sendo o Ogã Alabe incorporante, o mesmo deve passar por todos os preceitos e procedimentos como um médium normal da corrente. 

A Curimba será formada da seguinte forma:

- RUM deve ser tocado pelo Ogã Alabe, sendo dele a iniciativa do toque e arrebates;

- RUMPI deve ser tocado pelo Ogã mais antigo e não feito Alabe, sustenta a base do toque acompanhando os arrebates;

- LE deve ser tocado pelos demais Ogãs, sustentam a base do toque.

De acordo com a necessidade e condições do terreiro, a “curimba’ pode ser formada com dois Atabaques, sendo um RUMPI e um LE, contudo, seguindo as mesmas orientações. 

PONTOS  CANTADOS

Cânticos ou chamados dos Orixás, verdadeiros mantras que são utilizados nas giras de Umbanda, funcionam como elo de ligação entre os médiuns e o Plano Astral. Os pontos trazem em suas letras fundamentos, ordens do Astral, chaves das Entidades, comandos etc. É de extrema importância,que todos os médiuns conheçam todos os pontos cantados no terreiro e que sejam  entoados no ritmo e na melodia apropriada, pois quando desafinados, causam mal estar  e desarmonizam a gira.

O médium que brinca, permanece desatento ou deixa de entoar os pontos durante a gira, está acarretando para si mesmo sérios problemas de comunicação com o Plano Astral e com suas Entidades, da mesma forma quebrando a vibração da corrente, além do que, denota sinal de desrespeito.

PEMBA

A Pemba (verdadeira), é um giz branco, feita a partir de matéria prima chamada “cauim”, um calcário, parecido com o gesso, esse cauim é moído e adicionado também ao pó de algumas sementes e ervas sagradas. Depois de misturados e peneirados, é feito uma “papa” onde se dará o formato aproximado de um “quibe”, e colocado para secar. Ela pode ser preparada no terreiro ou pode ser comprada pronta, branca ou colorida.  A Pemba tem a finalidade de riscar  Pontos de segurança,  confirmação,  e muitos outros trabalhos que necessitem de forma escrita no solo ou em objetos. 

PONTOS RISCADOS

Um Ponto Riscado é o conjunto de símbolos escritos com a  Pemba,  e representam simbolos e selos magísticos utilizados pelas Entidades, quer para identificação ou abertura de portais com os quais trabalham. Estes Pontos são escritos de formas variadas e com cores específicas dependendo dos trabalhos para os quais se destinam.

O Ponto Riscado, na maioria das vezes é feito pela Entidade, contudo, pode ser feito pelo médium, desde que este esteja preparado e iniciado para tal, o que necessita de empenho do médium para o perfeito conhecimento da escrita e das dimensões que deseja atingir. Não obstante, não é raro encontrarmos médiuns (ou sacerdotes), que não conhecem a verdadeira magia e significado destes pontos, usando e abusando, sem terem noção do que estão manipulando, vale salientar, que esta prática traz riscos com proporções desconhecidas, já que inadvertidamente podem ser abertos portais dimensionais, que sem o devido selo/chave de fechamento, permanecerão abertos trazendo toda sorte de energias para nosso plano.

 PUNHAIS FACAS E PONTEIROS

Os ponteiros têm diversas aplicações dentro de um ritual, mas o  mais  utilizado é de direcionador de energia. É  como se fosse um fio terra para algumas cargas ou então como captor de energias movimentadas em determinados locais.
 Normalmente é utilizado pela Entidade para confirmar o ponto, de identificação, ou ponto de segurança. Usa-se ainda como elemento mágico, neste caso, somente o médium preparado e iniciado nos conhecimentos pode utilizá-lo para fins magísticos, pois são grandes condensadores de energias.

Facas e punhais, são utilizados pelas Entidades de forma magística, no caso da faca, cortar energias negativas ou negativadas, segmentar forças, sendo que os punhais como são perfurantes e sem corte, usa-se para penetrar e dissipar energias estagnadas, também podem ser utilizados como ponteiros. Da mesma forma que o ponteiro, o manejo de facas e punhais por médiuns necessita de conhecimento, preparação e iniciação.

ARO DE COBRE

Círculo de cobre usado magisticamente pelas Entidades e médiuns iniciados, para descarregar ou imantar energias, sendo usado diretamente no consulente ou como perímetro de escritas magísticas (pontos riscados).

 ADJÁ                   

 Objeto parecido com um  sino (badalo) que pode possuir de 1 a 3 bocas. Sua função é quebrar campos magnéticos, é muito utilizado na incorporação de Orixás, principalmente quando estão saudando o Peji/Conga, também  Facilita o entrosamento entre médium e Guia.

CHARUTOS, CACHIMBOS E CIGARROS

 Geralmente quando as Entidades estão em terra (incorporados), usam charutos, cigarros ou cachimbos em seus procedimentos. Vale a pena observar, que eles na verdade não fumam (não tragam a fumaça) como faria um usuário, apenas enchem a boca com a fumaça e a expelem sobre o consulente ou para o ar. O fumo age como uma defumação direcionada, atingindo diretamente o local afetado pelas energias nocivas. Sendo a folha de fumo, um vegetal, acumula fluido, vibrações e magnetismo solar, lunar, telúrico (terrestre) e astral. Quando queimado, libera estas energias, somadas as vibrações e mentalizações da Entidade , que irão desagregar e “limpar” a aura do consulente.   

 BEBIDA ALCOÓLICA OU NÃO

Da mesma forma que o cigarro,  a bebida alcoólica é utilizada pela Entidade, de forma a retirar de sua composição química, elementos que juntos de outros utilizados ou mesmo a própria mentalização da Entidade, provocam um processo alquímico, que atuará diretamente no consulente ou ambiente a ser limpo ou “desinfetado”. Há que se esclarecer, que a bebida alcoólica não é um elemento absoluto para a realização de trabalhos das Entidades, que fazem uso das mesmas com moderação.

O álcool, tem emprego sério na Umbanda,  a linha de esquerda principalmente, e a linha intermediária, são os que mais fazem uso da bebida alcoólica.  Estas  linhas utilizam muito de energias etéricas, extraídas da matéria (ex.:alimentos, álcool, etc…), para manipulação de sua magias,que servem como “combustível” ou “alimento”, sendo estas bebidas uma grande fonte desta energia.

Estas linhas, estão mais próximas às vibrações da Terra (faixas vibratórias), onde ainda necessitam destas energias, retiradas da matéria para realizar seus trabalhos e magias. O álcool também é usado p/ limpar/descarregar pontos de Pemba ou pólvora.

Com relação a bebidas não alcoólicas, seu uso segue o mesmo princípio, sendo que, se houver desequilíbrio por parte do médium, não haverá grandes efeitos nocivos a sua saúde.

OFERENDAS, DESPACHOS e OBRIGAÇÕES

As Oferendas são rituais feitos pelos médiuns aos Orixás e Entidades, com a finalidade de agradar, agradecer, efetuar pedidos de caráter religioso, de saúde e etc, dentro do que é estabelecido pela Lei e Justiça Divina. Elas podem ser feitas de varias formas, sempre utilizando elementos de força e energia do Orixá ou Entidade oferendada e podem ser tipos de pratos de comida, frutas, velas, vestimenta e outros objetos respectivos aos oferendados. As Oferendas tem caráter voluntário e podem ser feitas sempre que o médium sentir vontade, podendo ser feita para vários Orixás e Entidades ao mesmo tempo, respeitando o tempo de preparação  e arriamento e devem ser preparadas e entregues pelo próprio médium nos respectivos pontos de força dos Orixás e Entidades.

Com relação aos Despachos, estes são feitos geralmente com a intenção de limpeza, quebra de demanda, quebra de feitiços e ações de mesmo caráter. Os Despachos não seguem uma linha específica de elementos, já que as Entidades utilizam de seus conhecimentos para resolver as questões, podendo orientar o que deve ser introduzido, como e onde ser entregue. Vale esclarecer, que os Despachos são feitos por Entidades de esquerda, com o auxílio do Sacerdote/Sacerdotiza, sendo aconselhável que sempre ao fazer um Despacho, Oferendar sua Entidade Guardiã de esquerda como forma de agradecimento.

Quanto as Obrigações, como o nome já diz, tem caráter obrigatório e são rituais necessários nas consagrações dos médiuns ou quando são indicados pelo Guia Chefe do Terreiro ou Orixás e Entidades da coroa do próprio médium, por um motivo específico, podem ser Oferendas que utilizam os elementos de força e energia dos Orixás e Entidades, sendo preparados e entregues da mesma maneira que as Oferendas voluntarias., sendo assim, as Obrigações também podem ser Despachos.

A oferenda, talvez seja uma das maneiras mais primitivas do homem, de se encontrar com seus deuses, contudo, há de se esclarecer que na oferenda, a pessoa não assume um “compromisso cármico” (dívida); mas, no despacho, se houver um sentido de agressão e não de defesa, é certo que ele aumentará seus débitos com os Senhores do Destino.

 PÓLVORA / FUNDANGA

Sua utilização deve ser feita com cuidado e por médium preparado e iniciado, amparado pela Entidade que solicitou e dirige o trabalho, já que existe o risco de que não surte efeito esperado e também o risco de queimaduras ao consulente e ao próprio médium. De modo geral a Pólvora e disposta em circulo riscado no chão, grande o suficiente para que caiba o consulente em seu interior e possa ser ativada pelo médium de forma segura.

Ao ser queimada ou mesmo explodida, provoca-se um grande deslocamento de ar, repercutindo imediatamente no corpo áurico (aura) do consulente, desagregando todas energias negativas, miasmas e literalmente “queimando” larvas astrais que possam estar presas ao corpo espiritual da pessoa atendida. Em alguns casos, diante da necessidade, a Entidade responsável pode inserir outros elementos na queima como por exemplo o enxofre. É aconselhável que este é um procedimento, seja assistido somente por médiuns iniciados, uma vez que já estão com seus Guardiões definidos e atuantes.    

BANHOS DE DESCARGA / DESCARREGO

Desde épocas remotas é conhecida a forma mágica das plantas e ervas medicinais. Daí os banhos serem considerados veículos de purificação do corpo e da mente, incluindo-se no processo de mediunidade dentro dos centros e terreiros de Umbanda.

O banho de descarga é um descarregamento dos fluídos pesados de uma pessoa.

O banho de descarga mais usado é feito com ervas positivas, variando de acordo com os fluídos negativos acumulados que uma pessoa está carregando, e de acordo com os orixás que a pessoa traz em sua cabeça.
O banho de descarga com ervas deve ser tomado após o banho rotineiro, de preferência com sabão da costa, sabão neutro ou sabão de coco.
Um banho de descarga não deve ser jogado brutalmente pelo corpo e sim suavemente, com o pensamento voltado para as falanges que vibram naquelas ervas ali contidas.

Os banhos de ervas, são classificados normalmente em três tipos: Banho de Descarga, Banho de Ritual e o Banho de Iniciados. 

 

 

 

About these ads

31 respostas em “Estudos gerais para médiuns da corrente de trabalho Umbanda

  1. PARA QUEM PERDEU A AULA OLHA AQUI UMA REVISÃO! OU UMA OUTRA OPORTUNIDADE DE APRENDIZADO! EM VEZ DE FICAR NO MSN VAI ESTUDAR! RSRS!

    BEM LEGAL ….

    ABRAÇOS

  2. Dúvida: Para que a pólvora seria quiemada se não a favor de um consulente? (alguém que esteja de fato no meio do círculo, com a pólvora). Há alguma outra finalidade?

    Abraços =)

    • Axé Mayra,
      A queima de pólvora não é direcionda apenas para o atendimento a um consulente, ela pode ser feita para ambientes e objetos também, porém, o significado é o mesmo. Vale esclarecer, que além da necessidade de ser feita por médium com conhecimento e habilidade nos fundamentos, deve ser feita com cuidado, pois há risco de acidentes envolvendo o consulente, o que acabaria com a reputação do médium e da casa.
      Axé,

  3. SAcerdote de Umbanda Adriano d`ogum,gostaria de saber como devo lavar minhas guias da esquerda, Exu e zé Pilintra. Obrigada aguardo sua resposta.

    • Saravá Edna,
      Bem, isso pode variar de tradição para tradição, mas posso lhe dizer como fazemos em nossa casa. Apesar da variedade de rituais possíveis na Umbanda, em alguns casos constatamos que a simplicidade acaba sendo o melhor caminho, assim,para lavar ou limpar suas guias de esquerda, pode-se em primeiro lugar descarrega-las com a bebida usada pela entidade ou mesmo o “marafo”, caso não exista uma bebida específica; colocar a guia submersa na bebida por 3 dias; feito isso, imantá-la usando o amací de ervas correspondente a linha de esquerda ou de uso particular do Guia, uma vez preparado, manter a guia submersa no amací por mais 3 dias, o processo deve ser acompanhado de uma vela de sete dias na cor preta para Exú e preta e vermelha para Pombo-Gira; no sétimo dia deixar que seque naturalmente, a vela após a queima, pode ser descartada normalmente. O mesmo para aguia de Zé Pilintra, obedecendo apenas o uso dos elementos de sua linha e preferência.
      Espero ter ajudado.

      Adriano D’Ogum

  4. a dorei o texto mais gostaria de esquarecer 1 duvida . de quantas giras devemos participar para saber nosso pai de cabeça.

    • Olá Bernadete, tudo depende de como é o seu desenvolvimento, contudo, não são as giras que identificarão os pais e sim, por meio de Ifá (jogo de buzios)ou quando o medium já estiver em processo de incorporacão em conjunto ao seu recolhimento, assim, não há como definir a quantidade, OK?
      Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

  5. Boa Noite!
    Teho uma dúvida, o filho de fé que trabalha na casa como médium, a partir que se foi apresentado (batizado) se um dia ele precisar parar de trabalhar ou mudar de casa ou religião, ele fica com uma divída?

    • Axé Marília,
      Não entenda como uma divida e sim algo que deve ser continuado para bem da evolução própria, pois bem, desde que continue a cuidar de seu lado religioso/espiritual, sendo em qualquer religião a qual se identifique a continuação estara acontecendo. A fè não deve aprisionar e sim libertar, então, caso a pessoa desista de tudo, na verdade esta desistindo da fé, independente da religião a que pertença. Como esta questão é pessoal mude o sentimento de divida para necessidade de conscientização. abraço Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

  6. Boa Noite!
    eu estou estudando a Umbanda e com toda minha simplicidade gostaria de perguntar o porque uma guia não deve ser tocada por outro médium sem autorização e se uma vez que essa tocada o que pode acontecer?

    Sinceramente,

    Diogo Gonçalves

    • Olá Diogo,
      As guias(colares), são objetos pessoais e são imantadas com a energia correspondentes as Entidades a qual representam(Orixáx, Caboclo, Exus e etc), também, no ato da confecção recebem a energia do médium de forma a identificar a quem serão direcionadas as energias de proteção e equilíbrio imamntadas. Bem, sabemos que tudo que tocamos, deixamos um pouco de nossa energia impregnada, tanto positivamente como negativamente, este é o principal motivo pelo qual não devem ser tocadas por outra pessoa, principalmente quando não iniciadas. Vale esclarecer que o processo de imantação é magístico sendo a palavra fator de invocação e permissão para que a magia se concretize, daí, caso necessario alguém manusear suas guias, deve-se pedir autorização, para que, através de sua permissão seja ativada o processo de proteção mesmo não estando em contato com seu corpo. Em síntese é isso, espero ter ajudado. Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

      • Prezado Adriano D’Ogum,

        esclareceu sim minha duvida e fico agradecido pela atenção,

        muito obrigado e tudo de bom,

        Sinceramente,

        Diogo Gonçalves

    • Oi Gabrielle,
      Isso acontecerá com o tempo, contudo, dependerá do grau de concentração em que você se encontre, uma vez iniciada (feitura), asta sintonia tende a fortalecer é quando começamos a recebemos a maioria das orientações de nossos Guias Chefes.OK?
      Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

  7. Olá! Gostaria de saber se na Umbanda não existem “estudos” como outras crenças e como posso vir a trabalhar em um terreiro?
    Obrigada!

    • Olá Tati, sim há estudos, é o que fazemos aqui na associação, além dos trabalhos espirituais. mas Também,se quiser,você pode começar a ler alguns livros de autores como Rubens Saracceni,W.W da Mata e Silva, Robson Pinheiro. Aqui no Blog temos alguns livros que você pode baixar,OK?
      Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda.

  8. Adriano, não pertenço a religião Umbanda, mas também não vejo problemas em freqüentar giras e até tenho um companheiro que é umbandista. A minha duvida é a seguinte: Numa das giras que fui com ele, o mesmo incorporou Ogum e num determinado momento ele (o orixá) pediu para me chamar e num gestual disse-me para eu fazer uma guia dele, ogum, e colocar no meu carro. Comprei as contas (aquelas bolinhas que não sei se é bem esse o nome) e o fio para confeccionar a guia. Pergunto: Posso eu fazer em casa sozinho, num momento de concentração e tranqüilidade? Até acendi uma vela, fiquei no meu quarto em silencio, mas não comecei a confeccionar a guia! No aguardo

    • Boa noite Sandro,
      Você pode confeccioná-la, mantenha o pensamento firme e intenções positivas, contudo, depois de pronta, essa Guia(colar de contas) deve ser imantada pelo Orixá, sem isso ela não terá a energia do mesmo, assim, não cumprindo sua função. De toda forma, não sendo possível, preparar um macerado de ervas de Ogum, tais como espada de S. Jorge, aroeira e losna, em água fria, colocar a guia no macerado, deixar por 7 dias sob a luz ded uma vela de 7 dias vermelha. Claro que não terá a energia direta do Orixa quando entregue ao mesmo mas fara a função de proteção desejada. OK Espero ter ajudado. Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

  9. Sim.muinto bom,aproveitando,para um esclarecimento,seria otimo uma materia sobre ciganos do oriente,se riscam ponto,nao li nada ate hoje sobre pontos do oriente riscados,se e como dizem q os ciganos nao tem mediunidade fechada,desde ja agradeco se responder,que pai oxala o proteja hoje e sempre

  10. Boa noite, como está? Muito util sua pag, mto grata por nos trazer este auxilio! Preciso de uma orientação sua, por favor, uma senhora me ensinou colocar um copinho com marafo no lado esquerdo de quem sai de minha loginha (para quem entra ele está do lado direito atras da porta em baixo de um vaso de brilhantina) disse que era para trocar sempre a eia noite do domingo, acontece que eu moro dentro da lojinha e isso pode me prejudicar na vida? tambem me mandou por uma salada de tomates com ovos cozidos e pimenta do reino e uma cerveja num copo lá na estrada e pedir misericórdia para rainha, mas não disse de que lado, se é na esquina, se é na autoestrada… agora moro no Brasil e por favor vc pode me dizer se isso é correto? Qual o efeito de se saudar essa firmação dentro de minha casa? li que não se pode convidar esu para dentro da loja ou da casa, isso é verdade? moro numa esquina de rua com avenida dupla e na minha frente abre outra dupla como um Y de cabeça dupla.mto grata chan

  11. Minhas pedras e estátuas ciganas foram enviadas para uma trabalhadora da casa para energizar e elas voltaram com bastante pó de enxofre. Está correto? (achei estranho)
    Sendo a pessoa cigana de sangue, ela pode trabalhar em todas as giras? Existe algum ritual especial?

    Desde já, muito obrigado.

  12. Fiz uma tronqueira do lado esquerdo de quem entra em meu lar, isso é correto fazer ou atrai atraso de vida para você e os que moram nessa casa…e também gostaria de saber como fazer a firmeza da tronqueira na quaresma, posso continuar a oferece as velas para os exús e pombo-giras,e colocar as suas bebidas ou na quaresma não se faz isso to com muita dúvida pois faço isso sempre na primeira segunda feira de cada mês.Por favor me esclareça
    Muito obrigado

  13. Olá boa tarde sou medium iniciante de incorporação hoje, e fiu confirmada ekedy a 12 anos atraz por conta disso sofri um derrame q acabou comigo estou toda paralizada do lado esquerdo isso tem a 3 anos,eu estou frequentando uma casa de umbanda como medium iniciante estou adorando a disiplina a delicadesa o amor q meus comandantes tratam as entidades e a lição que nos passa,estou em desenvolvimento q estar me deixando muito satisfeita sinto a vibração da minha entidade cada vez mais intensa,ontem eu em trabalho de desenvolvimento senti a entidade ela trabalhou comigo com meu corpo,q fico cada vez mais feliz e satisfeita só q na hora de ir embora a entidade n sei se era entidade mesmo não quis ir embora sacudindo meu corpo não me deixava e sacudia meu corpo cada vez mais precisou o comandante intervir eu estou confusa será q era entidade mesmo??minha entidade protetora??não quis obedecer o comando de ir embora deixar meu corpo isso estar me confundido gostaria q vc falasse alguma coisa sobre isso eu só não pergunto meus mais velhos por vergonha da minha ignorancia obrigado um abraço boa tarde axé

    • Oi Sheila,
      veja, se durante o trabalho, ou seja, durante o tempo em que esteve encorporada não houve nada de ruim, quer sentimentos ou ações, posso dizer que não houve nada de errado. O processo mediúnico de encorporação é diferente para cada pessoa, assim, tanto na chegada como da ida, a manifestação pode ter aspectos diferentes, no seu caso, o que pode ter acontecido é que você, como médium iniciante na encorporação, talvez não tenha tido tempo suficiente para adequar seu corpo e mente para ida, ja que a entidade quando se vai, leva com ela as negatividades do médium ou do trabalho realizado, o que desequilibra um pouco aos ainda não preparados totalmente. Na minha opinião, processo normal que logo se equilibrará, espero ter ajudado. Adriano D’Ogum Sacerdote de Umbanda

      • oi eu novamente obrigado por suas palavras apesar de n ter entendido muito daquilo q o sr falou eu n fui muito clara ao relatar minha historia,e q quando fui confirmada me confirmaram de xangoô apos esses anos todos descubrir q sou de yansã tem algum atenuante nisso????me desculpe a ignorancia obrigado boa noite

  14. Pingback: Núcleo de Umbanda Vovó Maria Conga

Gostou? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s