Desenvolvimento, miséria e espiritualização

devocional

Lemos em “O Livro dos Espíritos”, na questão 930, a seguinte frase do dita pelos Espíritos Superiores: “Numa sociedade organizada segundo a lei do Cristo ninguém deve morrer de fome. E qual é a lei do Cristo?” Ainda segundo o entendimento da espiritualidade, como lemos na resposta dada à questão 886, é a caridade, entendida como: “Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias, perdão das ofensas”.

Lembramos as duas questões acima motivadas por um dado estatístico que aflige o coração de todos nós. São 32 milhões de pessoas vivendo abaixo do nível de indigência, o que significa estarem vivendo com menos de um salário mínimo por mês, impossibilitando- as de comprar pelo menos a cesta básica de alimentos. É um respeitável contingente humano à margem da organização social e dependente de programas sociais públicos e particulares.

Esses 32 milhões de pessoas representam 19% da população brasileira, e estão localizadas em bolsões populacionais do norte/nordeste e no entorno dos grandes centros urbanos, no processo de favelização que tomou conta das cidades brasileiras.

A miséria de boa parcela da população brasileira não é um fenômeno novo, mais histórico, que vem se acentuando nas últimas décadas apesar das políticas públicas desenvolvimentistas, pois estas privilegiam a busca do aumento da riqueza e não os mecanismos de distribuição da renda.

O que os espíritas estão fazendo para melhorar essa situação? Qual tem sido a contribuição dos espíritas no combate à miséria? Para responder as duas pergunta pode apontar o trabalho realizado por quase todo Centro Espírita na distribuição de gêneros alimentícios, roupas e medicamentos à população pobre, mensalmente, atendendo milhares de famílias. Mas, será que essa distribuição efetivamente combate à miséria?

É natural que para uma pessoa faminta, primeiro seja-lhe dado o alimento, para depois tratarmos de seus outros problemas, e é justamente aqui onde está o nó do serviço assistencial espírita, tratar os outros problemas, as outras questões que não apenas fome imediata, pois a miséria existe causada pela falta de emprego, de salário digno, de distribuição de riqueza equilibrada, de promoção do ser humano como pessoa, de justiça igual para todos, de educação moral prevenindo males sociais.

É, sem dúvida, meritório socorrer a fome com a distribuição gratuita do alimento, entretanto maior mérito é promover condições para que o ser humano se desenvolva e consiga sair, por si próprio e graças aos esforços sociais, da miserabilidade. Assim, serviços de alfabetização, profissionalização, capacitação técnica, orientação familiar, atendimento psicológico, encaminhamento profissional são fundamentais para que a miséria seja efetivamente retirada do cenário social.

Espíritas europeus em visita ao movimento espírita brasileiro ficaram maravilhados com nossa ação social, mas ao mesmo tempo constrangidos e desnorteados, pois em vários países do velho continente a miséria não existe, não faz sentidos a distribuição de bolsas de mantimentos, roupas e remédios. Tudo isso é provido pelo governo através de programas sociais bem definidos e estruturados. Não existe a miséria, mas existe o suicídio, o desemprego eventual, o alcoolismo, o aborto, a violência, o consumismo exagerado, o materialismo. Quais são as ações espíritas brasileiras nesse sentido? Poucas, bem poucas.

Embora encontremos nas obras da Codificação, a todo o momento, o alerta de que o Espiritismo é doutrina de educação do homem imortal, nem mesmo apoio ao trabalho em escolas encontramos. Apesar de algumas campanhas pela família, boa parte dos Centros Espíritas não possui grupo de pais.

Ainda persiste o Centro Espírita visto apenas do ponto de vista religioso confessional, com reuniões públicas, mocidade, evangelização infantil, reunião mediúnica e assistência material a famílias cadastradas, com os trabalhadores e frequentadores marcando ponto em dias e horários preestabelecidos, tomando passe, bebendo água fluidificada e completamente desvinculados da sociedade em que vivem.

Os que trabalham para mudar esse quadro, com visão abrangente e ações exteriores intensas, embora sejam motores do progresso do movimento espírita, passam os dias da existência criticados, repudiados, analisados, suspeitos eternos de descaracterizar a doutrina, quando na verdade são operários vigilantes obedecendo à máxima dos Espíritos Superiores: se nos regemos pelos ensinos de Jesus, ninguém, na sociedade humana, pode morrer de fome.

Naturalmente não estamos defendendo radicalismos e nem condenando os trabalhos desenvolvidos pelos Centros Espíritas, pois toda ação no bem com desinteresse é meritória, mas não basta distribuir hoje o que amanhã tornará a faltar e assim sucessivamente. É necessário promover o desenvolvimento social para todos formar as novas gerações nesse pensamento, para que elas, mais tarde ao assumirem seu papel adulto, corrijam as distorções e mantenham a nação brasileira longe do espetáculo da miséria, da indigência, dos sem teto, sem terra, sem emprego.

A caridade é a lei do Cristo, e ela não se confunde com a esmola ou com a atuação emergencial, como repetimos há mais de um século com relação à seca no nordeste. O problema nunca é resolvido e quando a calamidade chega aos meios de comunicação providenciamos alguns carros pipa, frentes de trabalho para construir açudes secos pagando meio salário mínimo aos trabalhadores, bolsas básicas de mantimentos, tudo isso por um período breve, suficiente apenas para minorar as agruras que voltarão no próximo ano, e no outro, e em tantos outros anos. Repetimos isso no atendimento aos moradores de favelas urbanas, ou comunidades carentes, sustentando famílias por determinado período e depois substituindo-as, pois as necessidades são grandes e não podemos atender todos. Mas a família desligada do serviço assistencial está pronta para caminhar sozinha? Seus responsáveis já estão empregados? Os filhos estão na escola? Boa orientação moral comanda agora essa família? Vamos repetir, neste primeiro século do novo milênio da era cristã?

A ação espírita deve contemplar a espiritualização do homem, fazendo com que ele estude, compreenda e coloque em prática os ensinos de Jesus, ampliando os horizontes da caridade e moralizando a sociedade em que vive. Esse é o trabalho que deve ser feito, combatendo e erradicando para sempre a miséria.

(Publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 364 de Maio de 2001 por Marcus Alberto De Mario)

Gostou? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s