A Matéria é efeito

Poder-se-ia achar nas propriedades íntimas da matéria a causa primária da formação das coisas?

atomo

“Mas, então, qual seria a causa dessas propriedades? É indispensável sempre uma causa primária.”

Indubitavelmente que a matéria tem vida. No seu seio mais íntimo notar-se-ão fenômenos que por vezes escapam à inteligência humana. Há, pois, obediência às leis sutis que governam e sustentam toda a Criação. Tudo isso que notamos na matéria e que a observação científica comprova são efeitos da Grande Inteligência, que denominamos, com toda satisfação, Deus.

Nós, no mundo espiritual, e na ação que nos cabe pesquisar, continuamos em estudos profundos sobre o Criador. Assistimos, em lugares apropriados, a luminares da eternidade expondo conceitos que já puderam comprovar sobre o Grande Foco, Sua vida e sua interferência em todas as direções da Sua casa universal. E eis que, para passar aos encarnados o que ouvimos é necessário que obedeçamos a certas regras da comunicação com os seres, ainda envolvidos nos fluidos da carne.

Deus é realidade absoluta; o que podemos dizer é que Ele vibra em tudo que existe. Falando na mesma frequência dos homens, Ele é personalidade distinta no centro das Suas criatividades. Repitamos novamente: Ele é Espírito. Se assim podemos dizer, o Criador é único, porém, no Seu gesto de trabalho se faz binário. O que podemos observar na extensão infinita é que Ele aparece e desaparece entre duas respirações do Seu dinâmico poder de viver, e Seu hálito divino interpenetra todas as coisas, marcando a Sua presença, semeando vida e dinamizando forças.

Somente poderemos conhecer um pouco do Grande Espírito pelos Seus atributos. Avançar mais, onde os nossos sentidos não alcançam, é perda de tempo e falta de compreensão e obediência a determinadas leis, que marcam os limites do nosso saber. Se queres entender mais, a meditação, depois do trabalho honesto, é um caminho excelente para o conhecimento mais acentuado do Criador. Nós O conhecemos mais, não pelos números, nem por ouvir falar; sentimos Sua presença quando a consciência se apóia no dever cumprido. Os Espíritos puros sentem Deus na profunda sensibilidade e expressam uma tranqüilidade imperturbável no coração.

A matéria é a mais baixa vibração da Divindade, é caminho criado por Ele para o despertar dos Seus filhos, que saem das Suas mãos luminosas e voltam para o Seu íntimo de vida. Essa viagem é um tanto ou quanto extensa, competindo a cada criatura fazer a sua parte, na aquisição da sua própria paz espiritual. Os sentidos dos homens, mesmo dos mais elevados, em comparação com a pureza espiritual dos benfeitores da humanidade, são apagados, pois se distanciam milhões de anos entre uns e outros na escala evolutiva, mas, alegramo-nos em dizer que eles também passaram por onde estamos, como estamos avançando para o reino onde eles permanecem trabalhando.

Voltando ao assunto inicial, dignamo-nos a responder que, no íntimo da matéria poderás encontrar Deus, porque as propriedades da matéria falam d’Ele, da Sua grandeza espiritual, desde que tenhamos sentido para tal pesquisa. Porém, esses fenômenos não são o Criador; são efeitos da Causa Primária, manifestando-se nas formas transitórias. Pulsa na matéria a vida universal, o fluido cósmico vibrante, dirigido pela mente do Criador e obediente aos seus sentimentos. Ele sabe de tudo e está em tudo, através dos Seus atributos espirituais.

A matéria, por mais evoluída que seja, não demonstra inteligência. Ela é movida pela Inteligência Suprema. Em se falando da Terra, somente no homem começa a despertar a razão, que é conseqüência do princípio inteligente, mesmo assim, sob o comando da Inteligência Maior, Deus.

fonte: Filosofia Espirita – Volume I (Miramez)

Uma resposta em “A Matéria é efeito

  1. As pessoas esto dormindo Um garotinho estava brincando com seus blocos de madeira, quando o pai entrou no seu quarto. Quieto, papai, estou construindo o meu Templo. O pai, querendo testar o conhecimento religioso do filho, disse: Por que devemos estar quietos no Templo? Ns devemos, porque as pessoas esto dormindo. O homem est dormindo. Este sono no o sono comum, um sono metafsico. Mesmo quando voc pensa que est acordado, voc permanece adormecido. Com os olhos abertos, andando na rua, trabalhando em seu escritrio, voc permanece adormecido. No apenas no Templo que voc est adormecido, voc est adormecido em todo lugar. Voc est simplesmente adormecido. Esse sono metafsico tem de ser quebrado, esse sono metafsico tem de ser completamente abandonado. A pessoa tem do tornar-se uma chama de conscincia. Somente ento a vida comea a ser significativa, somente ento a vida ganha significado, somente ento vida, no a vida do dia-a-dia, comum, rotina maante – a vida tem poesia em si e mil e uma flores de ltus no corao. Ento h a Fonte . A Fonte no uma teoria, no um argumento. uma experincia importante na vida. E a importncia s pode ser sentida quando voc no est adormecido. Como voc pode sentir a importncia da vida estando adormecido? A vida significante, imensamente significante. Cada momento dela precioso. Mas voc est adormecido. Apenas olhos despertos podem ver essa importncia, viver essa importncia. Um desses dias houve uma pergunta. Algum indagou: Osho, voc fica nos dizendo para celebrar a vida. O que h para celebrar? Eu posso entender. A pergunta relevante. Parece no haver nada para celebrar. O que h para celebrar? A pergunta dele a sua pergunta, a pergunta de todo mundo. Mas a realidade exatamente o contrrio. H tudo para celebrar. Cada momento to imenso, to fantstico, cada momento traz tanto xtase. . . Mas voc est adormecido. O xtase vem, paira ao seu redor e se vai. A brisa vem, dana ao seu redor e se vai. E voc permanece adormecido. As flores desabrocham e a fragrncia vem a voc, mas voc est adormecido. A Fonte fica cantando de mil e uma formas, a Fonte dana ao seu redor, mas voc est adormecido. Voc me pergunta: O que h para celebrar? O que no h para celebrar? Tudo que uma pessoa pode imaginar est a. Tudo que algum pode desejar est a. E mais do que voc pode imaginar. em abundncia. A vida um luxo! Pense num homem cego. Ele nunca viu uma rosa desabrochar. O que ele tem perdido? Voc sabe? Voc no pode sentir nenhuma compaixo por ele? Ele tem perdido algo, algo divino. Ele no v o arco-ris. Ele no v o nascer nem o pr-do-sol. Ele no v as folhagens das rvores. Ele no v a cor. Que escura a conscincia dele! E voc tem olhos e diz: O que h para celebrar? O arco-ris est a, o pr-do-sol est a, as rvores verdes esto a, uma existncia to colorida… Mesmo assim eu entendo. Sua pergunta relevante. Entendo que sua pergunta tem algum sentido. O arco-ris est a, o pr-do-sol est a, o oceano, as nuvens, tudo est a mas voc est adormecido. Voc nunca viu uma rosa. Voc passou por ela, voc olhou a rosa no estou dizendo que no a tenha olhado, voc tem olhos, assim, voc olha mas voc no a viu, no meditou sobre ela, voc no deu nem um nico momento de sua meditao a ela, voc nunca esteve em sintonia com ela, voc nunca esteve ao lado dela, sentado perto, em comunho, voc nunca disse oi para ela, voc nunca participou com ela. A vida passa, voc continua a, sem participar. Voc nunca est em harmonia com a vida, por isso sua pergunta significativa. Voc tem olhos mas no v, tem ouvidos e no ouve, tem corao e no ama voc est profundamente adormecido. Isso tem de ser entendido, eis porque continuo a repet-lo muitas vezes. Se voc entende que est adormecido, o primeiro raio do despertar entra em voc. Se voc pode sentir que est adormecido, ento voc no est mais, ento voc est exatamente beira de onde o dia se rompe a manh, a alvorada. Mas a primeira coisa essencial entender que eu estou adormecido. Se voc pensa que no est adormecido, voc nunca estar acordado. Se pensa que essa vida que voc tem levado at agora a vida de um ser acordado, por que ento voc deveria buscar e procurar caminhos para acordar a si mesmo? Quando um homem sonha e sonha que est acordado, por que ele deveria tentar acordar? Ele j acredita que est acordado. Esse o maior truque da mente e todos esto sendo enganados por ele. O maior truque da mente dar a voc a ideia de ser aquilo que voc no , ajud-lo a sentir que voc j aquilo. Osho, em “Sufis: O Povo do Caminho”

    Att,

    Fabrcio Coqueiro *(31) 3317 9093*

Gostou? Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s